Fundos de Investimento

  • O que são Fundos de Investimento?
    Um Fundo de Investimento (FI) é um instrumento financeiro coletivo que resulta das aplicações de vários investidores individuais e que se destina ao investimento em determinados ativos visando um determinado retorno.

    Assim, cada participante num FI é titular de quotas-partes (designadas UP, Unidades de Participação) que representam o investimento de cada cliente. 

    Os Fundos permitem aos investidores o acesso a carteiras diversificadas de ativos financeiros (no caso dos Fundos mobiliários) ou ativos imobiliários (no caso dos Fundos imobiliários) geridas por profissionais. As sociedades gestoras de FI estão sujeitas à supervisão do Banco de Portugal e da Comissão de Mercados de Valores Mobiliários.

  • O que é uma Unidade de Participação (UP)?
    Cada Fundo de Investimento é dividido em pequenas parcelas iguais que se designam Unidades de Participação (UP) que representam o investimento de cada participante no FI. O valor do património global de um FI é igual à soma do conjunto das quotas-partes (ou UP) de cada investidor individual. Ao subscrever UP, o investidor adquire a titularidade de uma parte do património do FI (de valor correspondente ao investimento).

    Um mesmo Fundo poderá ter diferentes tipos de UP, que se distinguem consoante a Moeda, a Política de Distribuição e a Classe.
     
    MoedaPolítica de DistribuiçãoClasse
    EURAcumulaçãoInstitucional
    USDDistribuiçãoRetalho
    GBP

    EURHDG

    ...

    Relativamente à Política de Distribuição os Fundos podem ser de acumulação ou de distribuição do retorno obtido.

    Tipicamente, o nome do Fundo poderá identificar o tipo de UP: E2 EUR [Acumulação] e E5 EUR [Distribuição].
     

    (Exemplo da aparência da Listagem de Fundos)

    Aos detentores de UP de distribuição, tal como o nome indica, é pago um dividendo periodicamente. Na classe de acumulação, esse dividendo não é distribuído, sendo capitalizado pelo FI. Assim, na data de pagamento de dividendo, o NAV (Net Asset Value) equivalente à cotação do Fundo das UP da classe de distribuição será ajustado para refletir esse mesmo pagamento.
     
    A priori, caso o cliente reinvista o dividendo a uma taxa equivalente ao retorno do Fundo, o retorno gerado pelas duas classes de UP deverá ser idêntico. Há, no entanto, que considerar o tratamento fiscal distinto para dividendos e mais-valias(1).

    Quanto às Classes, os Fundos disponibilizam diferentes tipos de UP para os vários segmentos de clientes. Regra geral, existem UP destinadas a clientes de retalho outras para clientes institucionais. As diferenças entre estes dois tipos de UP dizem respeito aos mínimos necessários para o investimento e às comissões a pagar.
     
     
    (1)Mais-valias: "O saldo anual positivo entre as mais-valias e as menos-valias resultantes da alienação é tributado em IRS, à taxa especial de 28% (ou 22,4%, caso se trate de sujeito passivo residente na Região Autónoma dos Açores), sem prejuízo de o titular residente optar pelo seu englobamento.”
    Dividendos: Os rendimentos respeitantes a unidades de participação em OICVM Estrangeiros distribuídos ou colocados à disposição do titular residente estão sujeitos a retenção na fonte definitiva, à taxa de 28% (ou 22,4%, caso se trate de sujeito passivo residente na Região Autónoma dos Açores), no momento em que forem pagos ou colocados à disposição.”.
  • Como se calcula o valor da unidade da unidade de participação (UP) representativa de um Fundo?
    O valor unitário das participações no Fundo é calculado diariamente, pela entidade gestora, através da fórmula:
     
    Valor Unitário = Valor Global Líquido do Fundo / Nº UP em circulação
     
    O Valor Global Líquido do Fundo é obtido valorizando todos os ativos que constituem a carteira da seguinte forma:
    • Os ativos cotados são valorizados à última cotação de bolsa disponível;
    • A contagem dos juros de obrigações e depósitos é geralmente efetuada até ao dia correspondente à valorização;
    • Os ativos determinados em moeda estrangeira são convertidos para moeda de referência do Fundo.
  • Que indicadores do desempenho de um Fundo devo consultar?

    Na página do FI, poderá consultar os seguintes indicadores de rendibilidade:

    • Crescimento de 100 – Gráfico de crescimento de 100 (EUR) para os últimos 10 anos. Comparação entre Fundo (vermelho), categoria (laranja) e benchmark (verde);
    • Rendibilidades anuais % - Tabela comparativa entre Fundo, categoria e benchmark e indicação do percentil do Fundo anualmente;
    • Rendibilidade anualizada % - Tabela comparativa entre FI, categoria e benchmark;
    • Rendibilidade trimestral % - Tabela comparativa entre Fundo, categoria e benchmark.
    • Morningstar Rating (Relativo à categoria).

  • Quais são os indicadores de risco de um Fundo que devo consultar?

    Na página do FI, poderá consultar os seguintes indicadores de risco:

    • Morningstar Rating (Relativo à categoria);
    • Desvio Padrão;
    • Rácio de Sharpe - o rácio de Sharpe é uma medida de rendibilidade-risco calculada com os dados dos últimos 36 meses dividindo o excesso de rendibilidade obtida pelo Fundo (face à de um ativo sem risco) pelo desvio padrão desse mesmo excesso de rendibilidade. Quanto maior o rácio de Sharpe melhor o comportamento do Fundo no período analisado. O rácio de Sharpe mede, consequentemente, o excesso de rendibilidade por unidade de risco. Fonte: Morningstar
    • Rácio Sortino - o rácio de Sortino é variação do rácio de Sharpe que considera o desvio padrão das quedas no denominador (em vez do desvio padrão geral). Desta forma, desconsidera-se a "volatilidade positiva” que emerge dos períodos de ganho acentuado.
    No documento de "Informações Fundamentais ao Investidor” (em inglês: Key Investor Information Document (KIID)) poderá consultar ainda o perfil de risco e de remuneração.
  • O que é o Risco KIID?
    O indicador de risco KIID é utilizado para classificar Fundos de investimento em diferentes categorias de risco. É calculado de acordo com as normas publicadas pela Autoridade Europeia dos Valores Mobiliários e dos Mercados (ESMA) e parte integrante do documento de "Informações Fundamentais ao Investidor” (em inglês: Key Investor Information Document, KIID). Este indicador representa a volatilidade histórica do NAV do Fundo numa escala de 1 a 7.
     
    Fundos com um indicador baixo tendem a exibir flutuações menores de preço e, por isso, uma probabilidade menor de perdas de capital. Contrariamente, Fundos classificados com um risco superior tendem a apresentar flutuações mais acentuadas e um risco superior de perdas.
     
    Os níveis de risco KIID correspondem aos seguintes intervalos de volatilidade:
     

    Risco KIID

    Intervalo de Volatilidade

    1

    0% to <0.5%

    2

    =0.5% to <2.0%

    3

    =2.0% to <5.0%

    4

    =5.0% to <10.0%

    5

    =10.0% to <15.0%

    6

    =15.0% to <25.0%

    7

    =25.0%

     
    O nível de risco de um Fundo não deve ser considerado uma garantia do desempenho futuro do Fundo e pode alterar-se com o tempo.

    O investimento num Fundo com risco KIID de nível 1 não deve ser considerado um investimento sem risco.
  • Como é calculado o Risco KIID?
    A volatilidade de cada Fundo de investimento é calculada com base nos retornos semanais observados nos 5 anos anteriores. Nos casos em que o Fundo de investimento não tenha histórico suficiente para o cálculo do indicador, utilizam-se como base as rentabilidades de um "portfólio modelo”, representativo do objetivo do Fundo ou outras metodologias claramente estipuladas pelos reguladores europeus. O cálculo toma em consideração a distribuição de dividendos pelos Fundos, quando aplicável. O indicador não diferencia entre flutuações positivas ou negativas, avaliando apenas a tendência geral do NAV do Fundo para ter flutuações.
  • Como subscrevo um Fundo de Investimento?
    Poderá subscrever um Fundo de Investimento através do homebanking, acedendo ao menu A Minha Conta > Investir > Comparar Fundos. Pode inserir o Fundo eleito e consultar a informação disponível - Risco, Rentabilidade, Rating, Exposição Setorial e Composição do Fundo. Alternativamente, pode consultar também a Pesquisa de Fundos de Investimento e utilizar os filtros disponíveis. 
     
    Regra geral, as ordens deverão ser introduzidas em montante na moeda de cotação do Fundo.
     
    A maior parte dos Fundos tem um montante mínimo de subscrição. Esse valor poderá ser consultado no Prospeto do FI.
     
    Uma vez inserida a ordem, o pedido de subscrição é realizado com cotação em aberto., assim, só num dos dias úteis seguintes ao pedido será possível conhecer o valor pelo qual o Fundo foi subscrito.
  • Como resgato um Fundo de Investimento?
    No menu A Minha Conta > Carteira pode verificar os instrumentos que constituem a sua Carteira. Caso pretenda resgatar um Fundo pode abrir a Ficha do Produto, sendo reencaminhado para a página onde constam, no canto superior direito, as opções "Subscrever” e "Resgatar”.

    Contrariamente à subscrição, o resgate é efetuado em UP. O cliente deve indicar a quantidade de UP que pretende resgatar. A quantidade de UP em Carteira pode ser verificada na página "Carteira” e na barra lateral da página de introdução de ordens. 

    Os Fundos de investimento têm tipicamente um período de liquidação extenso pelo que, caso o cliente queira resgatar uma posição que tenha em Carteira nos primeiros dias após a subscrição, poderá não conseguir fazê-lo imediatamente.
  • Posso reforçar a quantidade de UP que detenho num Fundo?  
    Basta consultar as posições em Carteira, selecionar o Fundo que pretende reforçar e clicar em subscrever. Todo o processo segue os mesmos princípios que uma primeira subscrição.
     
    À semelhança do que acontece para a subscrição inicial, muitos Fundos têm um mínimo de subscrição adicional. Esse valor poderá ser consultado no Prospeto.
  • Como utilizar os pontos adquiridos e quais são os Fundos ao abrigo do Protocolo Fundos de Investimento PROTESTE INVESTE/Banco Carregosa?
    Relativamente aos Fundos elegíveis consulte aqui a respetiva listagem.

    Ao inserir uma ordem de subscrição no seu homebanking num qualquer Fundo dessa listagem, ser-lhe-á dada a possibilidade de utilizar os pontos.

    No ecrã "Nova Ordem”, assim que selecionar um FI, será apresentado na coluna direita o "Prémio de Fidelização DECO” que indica o valor (em EUR) que tem disponível para utilizar.

    Caso pretenda utilizar os pontos disponíveis deve responder "Sim”, logo após inserir o montante, e indicar no campo "Prémio de Fidelização DECO (EUR)” o valor a considerar.

    Após a subscrição de um Fundo e utilização de prémio, passarão a constar no extrato de movimentos: a subscrição inicial sem considerar o prémio, a anulação dessa subscrição e a subscrição final com a utilização do prémio.


  • Como subscrever uma Seleção de Fundos?
    Para subscrever uma Seleção de Fundos deve efetuar login e aceder aos respetivos formulários. Após submeter a informação solicitada no formulário, o seu Gestor de Conta entrará em contacto, enviando-lhe os documentos que necessita para realizar a subscrição. Deve consultar o documento "Informações Fundamentais ao Investidor” (em inglês: Key Investor Information Document (KIID)) dos Fundos que constituem a Seleção e que o seu Gestor de Conta terá disponibilizado via email.
Não encontra resposta às suas questões? Contacte-nos!