Go back
29 April 2013 09h40

BCP terá fechado o primeiro trimestre com prejuízos de 155 milhões de euros

O banco de investimento estima que este tenha sido “outro trimestre negativo para o BCP”, antecipando prejuízos de 155,2 milhões de euros, o que compara com os lucros de 40,8 milhões de euros obtidos nos primeiros três meses do ano passado.
 
“No geral, a rentabilidade consolidada do BCP deverá manter-se sob forte pressão devido ao fraco desempenho da sua taxa de margem financeira e provisões que esperamos que continuem elevadas”, refere o analista André Rodrigues. O banco estima que a margem financeira ascenda a 191,3 milhões de euros, o que representa uma descida de 39,7% face ao período homólogo.
 
A pressionar a margem financeira do banco esteve o custo dos 3 mil milhões de euros em CoCo que o Estado injectou no banco, o ambiente de baixas taxas de juro e o processo de desalavancagem.
 
“Positivamente, esperamos que o custo dos depósitos tenha mantido a tendência de descida observada no quarto trimestre de 2012 e que os custos operacionais continuem sob controlo rigoroso (custos de ‘staff’ e custos administrativos)”, realça o banco de investimento.
 
“O banco continua a operar sob pressão em Portugal, num contexto de baixas taxas de juro de mercado, quebra dos volumes e deterioração da qualidade dos activos”, conclui o Caixa BI, que avalia as acções do BCP em 0,12 euros e recomenda “acumular”.
 
O Caixa BI realça que continua “cauteloso” quanto à evolução da cotação no curto prazo, “dado que a incerteza relacionada com a capacidade do BCP em reembolsar a ajuda do Estado, através das CoCo permanece”.
 
“Qualquer recuperação consistente no cenário de investimento deverá estar relacionada com a execução positiva do seu actual plano de negócios, com uma potencial recuperação da rentabilidade de 2014 em diante”, resume o Caixa BI.
 
As acções do BCP seguem a valorizar 0,98% para os 0,103 euros. O banco liderado por Nuno Amado publica as suas contas relativas ao primeiro trimestre deste ano no próximo dia 6 de Maio, depois do fecho do mercado.
 
 
Nota: A notícia não dispensa a consulta da nota de “research” emitida pela casa de investimento, que poderá ser pedida junto da mesma. O Negócios alerta para a possibilidade de existirem conflitos de interesse nalguns bancos de investimento em relação à cotada analisada, como participações no seu capital. Para tomar decisões de investimento deverá consultar a nota de “research” na íntegra e informar-se junto do seu intermediário financeiro.