Go back
27 May 2013 18h09

Empreendimento turístico de luxo encerrado em Março reabre em Torres Vedras

O director do hotel de cinco estrelas, Francisco Nogueira de Sousa, disse à agência Lusa que a unidade abre na quarta-feira com uma "ocupação acima dos 50%" e com 110 trabalhadores, grande parte dos quais integravam o grupo de despedidos e foram agora readmitidos.
 
Até ao verão deverão ser contratados mais 40 funcionários, admitiu o responsável, adiantando que o mercado "tem reagido com confiança" ao recomeço do projecto, agora sob a exploração do Fundo Discovery, que investiu dois milhões de euros na operação de reabertura da unidade.
 
Francisco Nogueira de Sousa admitiu que, a longo prazo, a exploração do empreendimento pode passar para uma cadeia internacional.
 
O empreendimento turístico atravessava desde 2011 um processo de insolvência, requerida pela própria administração, e encerrou em Março por decisão dos credores, por falta de liquidez financeira para pagar salários de acordo com o processo, a que a Lusa teve acesso.
 
Depois de terem sido recusadas propostas de compra por parte de outros investidores por não serem consideradas vantajosas, os credores - o principal dos quais é o BCP -, decidiram entregar o empreendimento ao Fundo Discovery.
 
O insolvente Grupo Orizon, cuja administração era liderada por Eduardo Neto de Almeida, tinha em 2009 passado a propriedade do imóvel para o BCP, para reduzir a dívida causada pelo financiamento de construção de todo o empreendimento, inaugurado em 2007.
 
A empresa, que geriu o hotel até à data da insolvência, possui 654 credores e dívidas na ordem dos 70,4 milhões de euros, das quais 38,7 milhões são ao BCP.
 
Os credores optaram por uma solução que permitisse a continuidade de todo o empreendimento para salvaguardar a manutenção da licença para fins turísticos e a permanência da residência nas quase quatro centenas de moradias, cujos proprietários investiram mais de cem milhões de euros.
 
"O licenciamento das construções só pode ser obtido por se tratar de um empreendimento turístico, não sendo possível que sejam utilizadas para qualquer outro fim", refere o relatório do administrador de insolvência.
 
O Grupo Orizon encerrou o ano de 2010 e 2011 com, respectivamente, 3,3 e dois milhões de euros de prejuízos.
 
Entre Outubro de 2007 e Novembro de 2009, o empreendimento teve associado o único hotel Westin de cinco estrelas da cadeia Starwood em Portugal, mas desvinculou-se da marca.
 
O hotel foi inaugurado em Outubro de 2007 pelo ex-ministro da Economia Manuel Pinho, tendo sido investidos 44 milhões de euros no hotel e respectivo campo de golfe.