Go back
27 June 2013 12h07

Estado dá garantias de mais 2,8 mil milhões para desbloquear empréstimos do BEI

O Estado português vai garantir até 2,8 mil milhões de euros das garantias actuais e novas assumidas pelos bancos portugueses de forma a desbloquear os empréstimos do BEI, “num valor até 6 mil milhões de euros”, revela o comunicado emitido esta quinta-feira pela Comissão Europeia.
 
“O regime permitirá a continuidade do financiamento concedido pelo BEI à economia real e evitará a ruptura do crédito atribuído pelo BEI através de todos os bancos que participam no regime”, acrescenta o comunicado.
 
Durão Barroso já tinha anunciado, a 13 de Junho, que a Comissão Europeia, o BEI e Portugal tinham chegado a acordo para desbloquear mais de mil milhões de euros linhas de financiamento que estavam bloqueadas porque o BEI alterou as condições para que os países tivessem acesso a esses fundos. Eram exigidas mais garantias. Portugal precisava de autorização por parte da União Europeia. O acordo só foi conseguido esta quinta-feira.
 
A Comissão Europeia e o BEI tinham trocado acusações sobre quem era o culpado de Portugal ainda não ter recebido linhas de financiamento. O BEI acusou Bruxelas de não dar o aval. Bruxelas acusou o BEI de alterar as condições de financiamento se necessidade.
 
O acordo foi assim alcançado no dia 13 de Junho, altura em que Cavaco Silva visitou várias instituições europeias, tendo Durão Barroso revelado o acordo precisamente durante a conferência de imprensa conjunta com o Presidente da República português.
 
No comunicado emitido esta quinta-feira pode ler-se que “a Comissão Europeia aprovou um novo regime de garantia português, através do qual o Estado garante aos bancos os empréstimos concedidos através do Banco Europeu de Investimento (BEI) às empresas em Portugal.”
 
“O Presidente Durão Barroso referiu que ‘com esta decisão a Comissão Europeia e o BEI reforçam a sua contribuição para o financiamento da economia, o que é essencial para o crescimento e a criação de emprego em Portugal’”, adianta o comunicado.