Go back
17 May 2013 12h22

Governo vai criar mecanismos para nenhum professor ir para a mobilidade especial

Durante o debate de urgência sobre o estado da educação, pedido pela bancada parlamentar do PS, o secretário de Estado do Ensino e Administração Escolar contestou a oposição, que acusa o Governo de despedir milhares de professores.
 
"Não houve nenhum despedimento. Houve redução de contratações. Para todos os professores dos quadros, os instrumentos que estão a ser preparados são para que não vão para a mobilidade", afirmou Casanova Almeida, durante o debate sobre "O estado da educação no ensino básico e secundário".
 
O secretário de Estado garantiu que o Executivo está "a preparar medidas para ter instrumentos que possam dar opções aos professores que possam ter horários sem componente lectiva".
 
"É na aposta destes instrumentos que vamos pôr à disposição dos professores para controlar a ida para a mobilidade especial. Tudo estamos a fazer para que impeçam a saída dos professores", garantiu Casanova Almeida.
 
A oposição manteve as críticas às políticas de educação do Governo. A deputada Odete João, do PS, falou no "despedimento de milhares de agentes educativos" e a do PCP Rita Rato concretizou, referindo-se ao "despedimento de mais de 15 mil professores em apenas dois anos", uma das medidas que a comunista considerou tornar "a escola pública cada vez mais pobre".
 
Para o secretário de Estado, a política do Governo é de "racionalização de custos", alegando que o importante é "a forma como se gasta e não a quantidade que se gasta".