Go back
18 May 2013 17h23

Marques Mendes: Banqueiros são dos principais responsáveis pela situação do país

Marques Mendes afirmou em Coimbra, que os banqueiros são dos principais responsáveis pela actual situação de Portugal e que a sua função é gerir bem os seus bancos e não o país.
 
“Há muita gente que é responsável” pela situação a que chegou Portugal e “os banqueiros estão na primeira linha desta responsabilidade”, sustentou o ex-líder do PSD e actual conselheiro de Estado, que falava, na noite de sexta-feira, em Coimbra, numa conferência sobre o futuro de Portugal e da Europa.
 
“Eu não estou a querer mudar de banqueiros, porque isso é uma coisa difícil de fazer”, mas “quero que a situação mude”, salientou Marques Mendes defendendo que “cada um tem a sua função” e que “a função do banqueiro é gerir bem o seu banco, não é gerir bem o país, porque ele não está mandatado para isso”.
 
Quanto aos políticos, “já agora, devem dar-se ao respeito, porque a legitimidade do voto não deve ser nunca, nunca, condicionada pela legitimidade dos poderes de facto”, advertiu o antigo ministro.
 
“Os banqueiros têm um estatuto de impunidade que é uma coisa extraordinária”, sustentou Marques Mendes, considerando que “a generalidade dos políticos”, em Portugal, têm medo de falar aos fortes – é sempre mais fácil falar aos fracos”.
 
Mas como o antigo líder dos sociais-democratas defende “exactamente o oposto”, entende que “estas coisas devem ser ditas, para ver se as mentalidades mudam um bocadinho” e se desenvolve “uma cultura que não seja de impunidade”, sublinhou.
 
Portugal tem de deixar de ter uma economia “centrada no mercado interno” e tem de a “voltar para o exterior”, mas, advertiu Marques Mendes, esta orientação tem de fazer parte do “discurso político, porque o exemplo deve vir de cima, mas convém que [daí] venha um bom exemplo”, pois, “ao nível da banca, o contributo que ela deu foi péssimo, foi negativo”.
 
“A generalidade dos nossos banqueiros” contribuiu para que Portugal “tivesse demorado tanto tempo” a “acordar” e a “chegar ao caminho” da exportação e da internacionalização da sua economia.
 
Aos banqueiros que “estão aí na praça já só falta, mais dia, menos dia, começarem a dar uns palpites” e a fazerem – “como adoram muito fazer – colagens ao poder”.
 
Só se “culpam os políticos” pela situação do país, mas “os banqueiros estimularam tudo e mais alguma coisa”, afirmou Marques Mendes, responsabilizando também os empresários e os gestores.
 
“Não são só os trabalhadores que precisam de acções de formação”, advertiu, embora existam “empresas e empresários” com “muito mérito, nestes tempos difíceis”, salientou.