Go back
01 June 2013 13h32

Passos Coelho: "Não vamos ficar à espera que toda a gente esteja de acordo" para avançar com reforma do Estado

“Que todos possam discutir e contribuir para essa reforma grande que estamos a preparar”, é o propósito do Governo apontado por Pedro Passo Coelho, em Bragança, na cerimónia de entrega da obra da barragem de Veiguinhas.
 
O empreendimento, projectado há 35 anos e que avança depois de 16 anos de estudos ambientais, foi apontado pelo primeiro-ministro como exemplo da “irracionalidade e ineficiência do Estado” que o Governo quer alterar.
 
A reforma que vai ser apresentada e posta à discussão pública este mês tem esse propósito, segundo o chefe do Executivo, que deixou, no entanto, um aviso: “Nós queremos alcançar o entendimento o mais alargado possível, mas não vamos ficar à espera que toda a gente esteja de acordo para poder andar para a frente”.
 
“Não vamos andar 15 anos a fazer a discussão, isso é que não pode ser, nem vamos andar um ano e meio ou dois anos a discutir, para depois, no fim, ficarmos como estávamos, isso também não pode ser”, insistiu.
 
Passos Coelho afirmou que o debate público sobre a reforma do Estado “não pode deixar de estar, pois, muito capitaneado pela própria Assembleia da República, onde todos os partidos com assento parlamentar chamarão todos os agentes a pronunciarem-se”.
 
“Não será feita, portanto, uma espécie de simulacro de discussão, faremos uma discussão ampla, gostaríamos que todos se preparassem para essa discussão e depois tenhamos todos um espírito construtivo suficiente para perceber o objectivo e o objectivo é não divergir, o objetivo terá de ser o de convergir na mudança deste sistema”, afirmou.