Go back
03 May 2013 11h46

Trabalhar não pode ser castigo

Para o filósofo Roman Krznaric, “entrámos numa nova era de realização pessoal, na qual o grande sonho é trocar o dinheiro pelo significado”. E esse é o tema de um livro apaixonante e que nos obriga a repensar muitos dos dilemas que enfrentamos todos os dias
 
 
“O trabalho é um mal necessário a ser evitado”
Mark Twain
 
 
Nos tempos que correm, e sempre que alguém se queixa do trabalho em excesso, de chefes insuportáveis, de horários abusivos ou se pronuncia a popular frase “não aguento mais o meu emprego”, há sempre alguém que nos olha com um ar furibundo e que diz: “dá é graças por ter trabalho”. O que, face ao flagelo que assistimos no mercado laboral, é uma verdade indiscutível.
Todavia, esqueçamos por alguns instantes a falta de emprego e concentremo-nos na falta de vontade para nos erguermos todos os dias da cama para ir trabalhar. Ao longo de séculos, o trabalho sempre foi encarado como uma necessidade feia e não como uma fonte de identidade. Todavia, e como argumenta o filósofo Roman Krznaric, “entrámos numa nova era de realização pessoal, na qual o grande sonho é trocar o dinheiro pelo significado”. Apesar de serem decerto muitos os leitores que discordam desta nova máxima filosófica, a verdade é que, de acordo com vários estudos, o grau de insatisfação das pessoas relativamente ao trabalho que têm, está a crescer significativamente. A maioria das pesquisas feitas no Ocidente revela que, pelo menos metade dos entrevistados é infeliz no seu local de trabalho. Num estudo feito somente na Europa, a percentagem dos insatisfeitos cresce para os 60%. Nos Estados Unidos, a satisfação com o trabalho atingiu, desde que há registos, o nível mais baixo de sempre: 45%.
Dados os números, não parece de todo má ideia dedicar um livro à procura do significado para o trabalho e foi o que fez Roman Krznaric, no seguimento das obras que têm a chancela da The School of Life, o empreendimento cultural fundado pelo famoso Alain de Botton, escritor de ensaios que têm sido descritos como “filosofia para a vida de todos os dias”. How to Find Fullfiling Work não é um livro grande, mas tem todos os ingredientes para ser um grande livro. Escrito com base numa agradável e inteligente mistura de factos históricos, psicologia e entrevistas enriquecedoras, desconstrói muitos dos mais comuns dilemas relacionados com o trabalho e com a carreira, tal como a sobre-abundância (ou escassez) de opções de emprego, os compromissos prematuros que somos obrigados a fazer em tenra idade sobre as nossas opções de carreira, a “psicologia do medo” que nos mantém aprisionados a um trabalho que odiamos, como avaliar se determinado trabalho tem ou não significado ou sobre o tipo de recompensas que dele retiramos. Mas se está à espera de mais um livrinho de auto-ajuda, de consumo rápido e dicas mágicas, este não é o caso. Mais do que dar respostas, a obra de Krznaric faz perguntas. Mas também nos força a tentarmos respondê-las.
Especialização versus tocar sete instrumentosA insatisfação vocacional que parece estar a aumentar em todo o mundo pode ter as suas raízes no culto da especialização iniciado de forma substancial com a Revolução Industrial. Ao longo dos dois últimos séculos, ser-se especializado em alguma coisa consistia na melhor forma de utilizarmos os nossos talentos e ganharmos, em simultâneo, um status social reconhecido que derivava directamente da nossa área de especialização. “Ser-se especialista em…” sempre constituiu o orgulho de muitos, mesmo que, para tal, existissem custos, pois o que parece sobressair na natureza humana são “eus múltiplos” e parecem ser mais felizes aqueles que apostam na multiplicidade de talentos.
Mas a verdade é que a veneração dos “especialistas” tem vindo a ser uma norma no mercado laboral desde há 200 anos. E, tal como advertia o arquitecto e inventor futurista Richard Buckminster Fuller – presidente da MENSA, a famosa e mais antiga associação de génios – e famoso também por exortar contra a especialização, Krznaric também o faz, argumentando que este culto “rouba” uma parte essencial do ser humano: a fluidez da personalidade e a sua multiplicidade.
Num excerto do livro republicado na BrainPickings, o autor escreve:
“A especialização pode ser óptima caso se possua competências particularmente indicadas para determinada área ou se existir uma paixão por um determinado nicho, sendo que, e obviamente, possui também o benefício de a pessoa em causa se sentir orgulhosa por ser um especialista. Mas existe também o perigo de o especialista se tornar insatisfeito, dada a repetição inerente a muitas profissões especializadas. Adicionalmente, a nossa cultura de especialização entra em conflito com algo que muitos de nós reconhecemos intuitivamente, mas que os conselheiros de carreira só agora estão a começar a perceber… O facto de termos talentos, valores, interesses e experiências multifacetadas e complexas, o que também significa que nos podemos sentir completamente realizados enquanto web designers, ou como polícias ou a gerir uma mercearia de produtos naturais”.
A vocação não é algo que encontramos, mas que cultivamos“Sem trabalho, toda a vida começa a apodrecer, mas quando o trabalho é feito sem alma, a vida asfixia e morre”, escreveu Albert Camus, citado por Krznaric. E encontrar um trabalho com alma transformou-se em uma das grandes aspirações da nossa era. E, como escreve o autor, temos de reconhecer que “uma vocação não é algo que descobrimos, mas que cultivamos”.
Krznaric afirma que, geralmente, as pessoas encaram a vocação como algo “para o qual nascemos”. Mas o autor prefere uma definição diferente, algo mais próximo às origens históricas do conceito: “uma vocação é uma carreira que não só nos oferece um sentimento de realização – com significado, que nos ‘faz correr’ e sentirmo-nos livres – mas que possui igualmente um objectivo conclusivo ou um propósito claro pelo qual lutamos, o qual conduz as nossas vidas e nos motiva a sairmos da cama pela manhã”.
Em termos históricos, este desejo por um trabalho que nos preencha, que ofereça um sentimento profundo de propósito e que reflicta os nossos valores, paixões e personalidade, é uma invenção moderna. Como relembra o autor, ao longo de muitos séculos, a maioria dos habitantes do mundo ocidental esteve demasiado ocupada a lutar para ir ao encontro das suas necessidades de sobrevivência, não tendo sequer tempo para se preocupar em encontrar uma carreira na qual pudesse dar uso aos seus talentos ou que contribuísse para o seu bem-estar interi