Go back
17 June 2013 15h54

Van Rompuy diz que desemprego na UE não vai diminuir "drasticamente" no próximo ano

Herman Van Rompuy aponta para um crescimento económico da União Europeia (UE) entre 1,0% e 1,5% no próximo ano. No entanto, segundo o presidente do Conselho Europeu, este crescimento não vai ser suficiente para reduzir, de forma considerável, o nível de desemprego que se verifica por toda a Europa.
 
“Teremos crescimento no próximo ano, mas não vai ser suficiente para diminuir drasticamente o desemprego”, afirmou Van Rompuy esta segunda feira na cimeira do G8, que se realiza na Irlanda do Norte.
 
“Embora [o crescimento] seja positivo - entre 1,0% e 1,5% - não vai ser suficiente para diminuir o desemprego, especialmente o desemprego jovem”, sublinha o Van Rompuy, citado pela Bloomberg.
 
As projecções mais recentes da Comissão Europeia apontam que a economia da EU se expanda 1,4% em 2014 e a Zona Euro 1,2%.
 
Os últimos divulgados pelo Eurostat revelam que em Abril existiam 26,6 milhões de desempregados na UE, o que corresponde a uma taxa de desemprego de 11,0%. Na zona comunitária o número de cidadãos sem emprego ascendia aos 19,4 milhões, o equivalente a 12,2%.
 
Isolando os desempregados com idades inferiores a 25 anos, as taxas disparam. Em Abril, a taxa de desemprego jovem ascendia a 23,5% na UE e a 24,4% na Zona Euro.
 
No seu discurso, Van Rompuy declarou também que o “perigo existencial” do euro já não se coloca. “O euro já não está sob ameaça existencial, uma vez que a estabilidade financeira foi restabelecida, os défices estão a ser reduzidos, a competitividade está a aumentar e, como resultado, as exportações estão a recuperar”, disse o presidente do Conselho Europeu, cita o “The Guardian”.
 
“As nossas economias vão sair mais fortes da crise da Zona Euro, mais integradas. Não há comparação entre a situação de hoje e a situação de há nove meses, quando o euro estava sob ameaça existencial. Hoje já não é mais o caso”, reiterou Van Rompuy.