Voltar
06 maio 2013 11h48

Enrico Letta diz que se demite se for obrigado a fazer mais cortes na educação

Enrico Letta, primeiro-ministro de Itália, afirmou em entrevista ao canal de televisão RAI3 que espera que não sejam necessárias mais medidas de austeridade e que vai propor um plano para criar mais empregos durante a cimeira de Junho da União Europeia (UE).
 
Ao fim de vários meses sem que Itália conseguisse formar Governo, o Executivo tem como prioridade alterar a lei eleitoral, afirmou o recém-empossado primeiro-ministro.
 
Durante a entrevista de televisão que concedeu este domingo, 5 de Maio, Enrico Letta defendeu a necessidade de implementar políticas de crescimento e disse esperar que não sejam necessárias mais medidas de contenção orçamental.
 
O gabinete de estatística de Itália prevê uma contracção da economia de Itália de 1,4%, este ano, e um crescimento de 0,7% em 2014. A taxa de desemprego deverá passar dos actuais 11,9% para 12,3%.
 
Na entrevista, Enrico Letta anunciou que vai submeter à aprovação um decreto-lei para suspender um imposto sobre os bens imobiliários cujo pagamento teria lugar em Junho para ganhar tempo de rever a taxa.
 
O aumento do imposto sobre valor acrescentado (IVA), previsto também para Julho, será adiado e Letta afirmou mesmo que pediria a demissão no caso de ser forçado a fazer mais cortes na educação.