Voltar
09 julho 2013 10h56

Euribor inalterada nas principais maturidades e a cair nas mais longas

Esta terça-feira as taxas Euribor registaram uma subida na maturidade mais curta, mantiveram-se inalteradas nas principais maturidades, e desceram nos períodos mais longos, depois de na semana passada o BCE ter anunciado que as taxas de juro centrais deverão permanecer nos níveis actuais, ou mais baixos, por um longo período de tempo.
 
No prazo de seis meses, o mais utilizado como indexante no crédito à habitação em Portugal, as taxas interbancárias mantiveram-se inalteradas nos 0,328%. O mesmo se verificou no período a três meses, em que a taxa permaneceu nos 0,217%, de acordo com a fixação diária da Federação Europeia de Bancos.
 
Já para o prazo de um mês, as taxas interbancárias subiram 0,1 pontos base para 0,123%.
 
Nas maturidades mais longas, nove e 12 meses, as taxas Euribor registaram quedas, de 0,2 e 0,3 pontos base, respectivamente, para 0,422% e 0,510%.
 
“O Conselho de Governadores espera que as taxas de juro centrais do BCE permaneçam nos níveis actuais ou mais baixos por um período longo de tempo”. Foram estas as palavras que Mario Draghi (na foto) proferiu quinta-feira, na conferência de imprensa que se seguiu à reunião mensal da autoridade monetária e que marcaram um momento histórico.
 
Draghi afirmou ainda que qualquer decisão de subida de juros dependerá da evolução de três variáveis: expectativas de inflação, actividade económica e dinâmica monetária.
 
Pela primeira vez, em 15 anos de história, o Banco Central Europeu (BCE) deixou uma “forward guidance” (orientação futura, numa tradução livre) sobre a evolução da política monetária. A medida surpreende também por ir contra a famosa expressão da autoridade monetária “nós nunca nos comprometemos com decisões futuras” de taxas de juro.