Voltar
25 junho 2013 09h20

Fenprof diz que greve se mantém apesar de avanços nas negociações

"A greve mantém-se. Hoje, o apelo que fazemos aos professores é que mantenha a greve em níveis muito elevados. É muito importante", disse o secretário-geral da Fenprof, justificando que ainda "nada foi concluído e não se sabe o que vai acontecer" nas negociações com o Governo.
 
Mário Nogueira disse ainda que só dará mais esclarecimentos após a reunião de hoje de manhã com o ministério da Educação.
 
Na segunda-feira, no final de mais uma reunião no Ministério da Educação, Mário Nogueira afirmou que as negociações sobre questões como a mobilidade especial e o alargamento do horário semanal produziram "alguns avanços significativos".
 
"Há aqui alguns aspectos que consideramos significativos e que não tínhamos anteriormente e que vão no sentido de se desfazer os anseios dos professores, nomeadamente quanto às regras da mobilidade, o não aumento dos horários semanais e salvaguardas muito importantes para os professores que lhes vai permitir soluções positivas", disse Mário Nogueira.
 
O dirigente da Fenprof referiu que as reuniões de hoje vão ser "decisivas" e poderão dar resultados importantes que podem trazer estabilidade para os alunos.
 
Na segunda-feira, o secretário de Estado do Ensino e da Administração Escolar adiantou ter sido conseguido um entendimento com os sindicatos dos professores para que a requalificação seja apenas introduzida em Fevereiro de 2015.
 
"Não deve haver colocações em Setembro porque teremos de aguardar as colocações no primeiro período. A requalificação será sempre em Fevereiro de cada ano", disse João Casanova de Almeida, acrescentando que já a partir de Fevereiro de 2014 será testada a requalificação dos professores.
 
Para isso, sublinhou, foi criada uma comissão mista, integrando membros do Ministério da Educação e dos sindicatos, para avaliar ainda durante este ano lectivo a aplicação da requalificação.
 
O secretário de Estado disse ainda que a questão do alargamento do horário semanal de 35 para 40 horas "ficou sistematizada".
 
A Fenprof esteve reunida na segunda-feira à noite para discutir as propostas do Governo, mas também o pré-aviso de greve às avaliações dos professores (que começou a 07 de Junho), marcado até 5 de Julho.
 
Hoje, a partir das 10:00, os 10 sindicatos de professores voltam a reunir-se com responsáveis do Ministério da Educação para debater o documento hoje entregue pela tutela.