Voltar
03 junho 2013 22h08

Fenprof: Mais rapidamente Crato é posto na rua do que docentes na mobilidade

"Provavelmente, mais rapidamente este Governo e este ministro são postos fora do que vão conseguir aplicar isso aos professores", disse hoje, em declarações à agência Lusa, o secretário-geral da Federação Nacional de Professores (Fenprof), Mário Nogueira, reagindo assim às últimas declarações de Nuno Crato.
 
O ministro da Educação reconheceu hoje que as medidas a aplicar à Função Pública (mobilidade especial e aumento de 35 para 40 horas semanais de trabalho) vão abranger os professores, mas reiterou que tudo fará para que, na prática, os docentes não fiquem sujeitos ao regime de mobilidade.
 
Mário Nogueira disse desconfiar da promessa: "É até irresponsável da parte do ministério aumentar o horário de trabalho dos professores. Mas nós percebemos porque é que querem fazer, para pôr na rua mais contratados e aplicar aumentar a mobilidade especial".
 
As declarações de Nuno Crato vêm "demonstrar a razão que os professores têm para estar a lutar", defendeu o sindicalista, lembrando que as "causas mais imediatas" para as lutas que começam no final desta semana são precisamente a aplicação da mobilidade especial e o alargamento do horário de trabalho.
 
"Pois que fique uma certeza. É que nós lutaremos contra isso até ao limite das nossas forças e pensamos que ainda antes de atingirmos esse limite já o senhor ministro e, que bom seria, os restantes ministros, já foram mandados para casa. Porque eles não fazem falta ao país. Já os professores fazem falta nas escolas", argumentou o sindicalista.
 
Apesar de as greves estarem agendadas para as datas dos exames nacionais, o ministro garantiu hoje que as provas vão realizar-se na data prevista, sublinhando que estão em curso os mecanismos legais para a definição de serviços mínimos.
 
O ministro manifestou ainda esperança de que a greve não se concretize, afirmando-se disposto a discutir com os sindicatos de professores.
 
A Fenprof anunciou no final da semana passada que, caso as greves às avaliações, que decorrem entre 07 e 14 de Junho, e a greve geral dos professores (a 17) não surtam efeito, serão entregues novos pré-avisos "até ao tempo que for preciso".