Voltar
21 maio 2013 16h58

Galp e banca levam bolsa nacional a fechar em terreno negativo

O PSI-20 caiu 0,31% para 6.050,42 pontos, com seis cotadas em alta, 13 em queda e uma inalterada. Esta é uma tendência na maioria dos índices na Europa, com a Galp e a banca a serem as principais cotadas que pressionam o índice português. A Mota-Engil e a Zon também fecharam em queda, fruto da entrada em ex-dividendo.
 
A Galp Energia caiu 1% para 12,41 euros, depois de informar que abandonou a exploração de um poço petrolífero na Namíbia. “A Galp Energia anuncia que o poço de exploração Wingat-1 na licença de exploração petrolífera (PEL) 23 na bacia de Walvis, no offshore da Namíbia, foi concluído e os resultados indicaram a presença de petróleo, embora em volume não comercial”. A empresa adiantou que “o poço está a ser fechado e será abandonado”.
 
À primeira vista os analistas do BES e do BPI parecem discordar quanto à notícia divulgada esta manhã pela Galp Energia. O BES Investimento (BESI) diz que o resultado da prospecção que demonstrou a existência de petróleo e rochas ricas em carbono orgânico na janela de geração petrolífera é “positivo”. Já o BPI Equity Research atribui um impacto “neutral a negativo” à notícia de que o poço perfurado pela Galp não tem viabilidade comercial. 
 
Ainda assim, os analistas das duas casas de investimento dizem que o facto de a prospecção no poço Wingat ter apurado que este não tem viabilidade comercial não afecta o potencial dos outros dois projectos de exploração que o consórcio integrado pela Galp vai explorar ainda este ano, conforme explica o BPI.
 
Também a EDP e Portugal Telecom pressionaram a bolsa nacional com uma queda de 0,32% e 0,48% para 2,466 euros e 3,55 euros, respectivamente. No caso da PT, os analistas que cobrem a avaliação da operadora liderada por Zeinal Bava antecipam que os resultados do primeiro trimestre do ano vão reflectir um período “difícil”, com o corte das terminações e vários factores não recorrentes a penalizarem os resultados.
 
É expectável que as receitas e resultado operacional da PT caiam 10% no primeiro trimestre, e os lucros mais de 50%.
 
A queda do índice português foi determinada também pelo ajuste das acções da Mota-Engil e da Zon, que negociaram a partir de hoje sem direito ao dividendo. A empresa liderada por Gonçalo Moura Martins recuou 1,35% para 2,116 euros, sendo que está a descontar o dividendo de 11 cêntimos. A empresa liderada por Rodrigo Costa também descontou o dividendo de 12 cêntimos, e recuou 2,22% para 3,385 euros.
 
(Notícia em actualização)