Voltar
14 outubro 2023 18h28

Israel: Manifestação pela libertação da Palestina junta uma centena no Porto

Cerca de uma centena de manifestantes com lenços tradicionais da Palestina - kufiya - concentraram-se hoje em frente à antiga Cadeia da Relação, no Porto, pela libertação da Palestina com bandeiras do país e cartazes a dizer Palestina Free.

 

Com música palestiniana a ecoar de colunas, gritos de "Free Palestine" e cartazes onde se lia "Palestina Free" ou "End The Siege on Gaza", Ana Paula Cruz, do Coletivo pela Libertação da Palestina (CLP), disse à Lusa que a manifestação de hoje no Porto serve para demonstrar a "opressão colonial do Estado de Israel" e também para relembrar que neste momento está a haver um "massacre na tentativa de limpeza étnica a acontecer em Gaza".

 

"Enquanto os nossos representantes políticos têm bandeiras de Israel, iluminam fachadas de azul, são banidas manifestações pró-Palestina por toda a Europa e o genocídio continua por condenar", lamentou a ativista Ana Paula Cruz.

 

A ativista afirma que hoje o Coletivo pela Libertação da Palestina (CLP) -- movimento criado em maio e que conta com várias dezenas de associados, entre eles alguns palestinianos a viver em Portugal -- para mostrar a sua solidariedade com o povo palestiniano, e para "exprimir a sua revolta" num espaço público onde tornam pública essa revolta.

 

Ana Paula Cruz critica os representantes políticos da União Europeia por estarem a apoiar "muito mal este conflito" e por não estarem a "condenar o genocídio a acontecer neste momento em Gaza e na Cisjordânia".

 

"É necessário parar de apoiar um Estado colonial que é o Estado Israelita. Diferentes líderes europeus têm publicamente vindo mostrar a sua solidariedade com o povo Israelita e prestar as suas condolências às vítimas do lado Israel e dizer e relembrar que estão com Israel e que defendem o direito de Israel a se defender a não à palavras em relação às vítimas palestinianas", declara a ativista.

 

"Não há uma palavra dita sobre o direito das pessoas palestinianas a resistir e o direito que elas têm ser vítimas do genocídio", disse, reiterando que está a acontecer neste momento "uma limpeza étnica".

 

Ana Paula Cruz recordou ainda que esta sexta-feira o Estado de Israel deu 24 horas às Nações Unidas para retirarem milhares de pessoas da Faixa de Gaza, e que enquanto estas pessoas saíam foram bombardeadas.

 

"Estamos a falar de crimes contra a humanidade e de e de claras violações do direito Internacional", concluiu, em declarações à Lusa.

 

O Hamas, que controla a Faixa de Gaza desde 2007, tinha recusado a retirada da população exigida por Israel, que ordenou a deslocação para o sul do enclave, medida que poderá indiciar uma ofensiva terrestre contra o território palestiniano.

 

A Faixa de Gaza, um enclave pobre e pequeno, com 2,3 milhões de habitantes, há vários anos sob um bloqueio terrestre, está agora sob cerco, com o abastecimento de água, eletricidade e alimentos cortado por Israel.

 

O grupo islamita Hamas lançou há uma semana um ataque surpresa contra Israel com milhares de foguetes e a incursão de milicianos armados por terra, mar e ar.

 

Em resposta, Israel bombardeou a partir do ar várias infraestruturas do Hamas na Faixa de Gaza e impôs um cerco total ao território com corte de abastecimento de água, combustível e eletricidade.

 

Os ataques já provocaram milhares de mortos e feridos nos dois territórios.