Voltar
11 janeiro 2024 23h09

Lagarde considera que taxas de juro do BCE já atingiram o seu pico

A presidente do Banco Central Europeu (BCE), Christine Lagarde, referiu esta quinta-feira que as taxas de juro da zona euro atingiram o seu pico, depois de subirem face à elevada inflação no ano passado.

"Salvo choques adicionais, as taxas não continuarão a aumentar", garantiu Lagarde, numa entrevista ao canal de televisão France 2.

"Acredito que atingiram o seu pico", acrescentou, evitando, no entanto, comprometer-se quanto a datas para possíveis cortes nas taxas de juro diretoras.

"Se vencermos a batalha contra a inflação, ou seja, se tivermos a certeza de que a inflação estará nos 2%, então as taxas começarão a cair", detalhou a líder do BCE, lembrando o seu objetivo de taxa de inflação de 2%.

"Essa é a lógica", frisou, embora se recuse a "dar uma data".

Para combater a inflação elevada, o BCE levou a cabo um ciclo de aperto monetário sem precedentes: dez aumentos consecutivos das taxas entre julho de 2022 e setembro de 2023.

O ritmo de crescimento dos preços ao consumidor abrandou significativamente desde que a taxa de inflação atingiu um pico de dois dígitos no final de 2022, mas permanece acima da meta do BCE de 2%.

Em dezembro, a inflação na zona euro acelerou ligeiramente para 2,9%, após 2,4% em novembro, um salto que era amplamente esperado.

Na mais recente reunião de política monetária, em 14 de dezembro, o BCE manteve as taxas de juro de referência pela segunda vez (consecutiva) desde 21 de julho de 2022.

A próxima reunião de política monetária do BCE, que será a primeira deste ano, realiza-se em 25 de janeiro.

A taxa de depósitos do BCE permanece em 4%, o nível mais alto registado desde o lançamento da moeda única em 1999, enquanto a principal taxa de juro de refinanciamento fica em 4,5% e a taxa aplicável à facilidade permanente de cedência de liquidez permanece em 4,75%.