Voltar
14 junho 2013 16h22

Merkel quer negociar acordo comercial com EUA a partir da próxima semana

A chanceler alemã afirmou que vai utilizar “todo o seu peso político” para conseguir um mandato da União Europeia para realizar um acordo de comércio livre entre a União Europeia e os Estados Unidos da América, segundo a Bloomberg. Angela Merkel falou no contexto da visita oficial do presidente dos EUA, Barack Obama, à Alemanha, que vai ocorrer na próxima semana.
 
Para Merkel, a UE e os EUA terão de ter “grandes projectos” em conjunto se quiserem reforçar os laços económicos entre a maior economia do mundo e o maior mercado único. A entrevista da chanceler é dada nesta sexta-feira, dia em que os ministros da Economia da União Europeia estão reunidos em Bruxelas.
 
“Acho que é há uma muito boa possibilidade de que haja, tanto do lado europeu como do lado do presidente dos Estados Unidos, uma abertura, uma predisposição para concluir” um acordo de comércio livre, disse Angela Merkel. “Deveríamos usar esta janela de oportunidade” para realizar esse acordo, acrescentou.
 
A União Europeia adoptou uma política económica de resposta à crise diferente da dos Estados Unidos, optando por uma política de austeridade que contrasta com a expansão orçamental levada a cabo a partir da Casa Branca.
 
Além disso, Merkel está a preparar uma taxa sobre transacções financeiras, informalmente denominada por taxa Tobin, que os EUA repudiam. Ainda assim, Merkel e Obama concordaram em iniciar negociações para projectos comuns que permitam estimular o crescimento económico e criação de emprego.
 
“Precisamos de grandes projectos em conjunto que nos unam”, disse a chanceler alemã, Angela Merkel, citada pela Bloomberg. “Acho que os Estados Unidos, como economia enormemente importante, e a União Europeia como mercado único – se conseguirem concluir um acordo de livre comércio, seria um sinal muito importante para ambas as áreas”, acrescentou.
 
Merkel vai ouvir investidores antes de implementar taxa Tobin
 
A líder do governo da maior economia da União Europeia confirmou a intenção de implementar a taxa sobre transacções financeiras, procurando serenar os receios relativos ao seu impacto no mercado de capitais.
 
Angela Merkel assegurou que vai ouvir as preocupações dos investidores do mercado de capitais acerca da taxa Tobin, mas reiterou que está convencida da sua importância. Em entrevista citada pela Bloomberg, Merkel comparou as taxas que incidem sobre as transacções comerciais, sujeitas a impostos sobre valor acrescentado (IVA), enquanto as financeiras são “basicamente gratuitas”.
 
“Estamos conscientes do facto de que por não ser implementada globalmente, esta taxa terá de ser feita à medida de forma a que não tenha o efeito” pernicioso que a indústria de serviços financeiros receia. A fuga de capitais poderia afectar a indústria de gestão de fundos de pensões e provocar fuga de capitais e de serviços financeiros para mercados onde não existe este tipo de imposto. “Isso seria, obviamente, algo muito mau de se fazer”, sublinhou.