Voltar
30 maio 2013 12h06

Nuno Amado espera que não se repita o erro de "spreads" demasiado baixos

Nuno Amado apelou esta quinta-feira a que a concorrência, que antecipa na concessão de crédito em Portugal, não leve a banca a baixar demasiado as taxas de juro.
 
"A taxa de juro do crédito às empresas vai ter uma trajectória de normalização. Espero que, em termos concorrenciais, não façamos o mesmo que no passado e que depois se provou errado", afirmou o responsável durante uma conferência organizada pela Reuters e TSF.
 
O banqueiro deixou implícito o reconhecimento de que os baixos “spreads” praticados no crédito à habitação foram um erro, até pelas perdas que hoje geram. Em 2008 a “guerra” de “spreads” atingiu o seu auge, com as instituições financeiras a oferecerem taxas de juro baixas. No crédito à habitação, por exemplo, era relativamente fácil conseguir um financiamento com um “spread” de 0,5%. Este cenário sofreu uma alteração abrupta após a crise financeira que estalou no final de 2008.
 
Nuno Amado acredita que Portugal e a banca estão a entrar “numa segunda fase, com a melhoria da posição conjuntural dos bancos e da relação entre depósitos e créditos e o reconhecimento externo do esforço que Portugal está a fazer”.