Voltar
16 maio 2013 13h57

Queda da construção de novas casas nos EUA foi a mais intensa em mais de dois anos

É necessário recuar até Fevereiro de 2011 para se verificar uma descida tão acentuada no arranque da construção de novas casas nos Estados Unidos da América como a que se verificou em Abril.
 
O início de trabalhos em novas casas na maior economia do mundo resvalou 16,5% em Abril, de acordo com os dados do Departamento do Comércio divulgados esta quinta-feira, 16 de Maio. Como resultado desta variação, começaram a ser construídas 853 mil casas, a uma taxa anual, aquela que é a taxa mais baixa desde Novembro.
 
O valor reportado para Abril fica abaixo das 1,02 milhões do mês anterior e é inferior, também, ao ritmo de 970 mil novas casas previstas pelos economistas consultados pela agência Bloomberg.
 
O dado está a ser entendido com uma pausa na melhoria que se tem vindo a verificar no imobiliário. A construção caiu fortemente no ano de 2009 (na sequência da crise financeira global) e, até meados de 2011, a edificação de novas habitações manteve-se estagnada. Tem, desde aí, recuperado algum terreno mas está distante do ritmo registado a meio da década passada.
 
Apesar das taxas de juro hipotecárias estarem próximas de zero, é necessário impulsionar a contratação e um mais fácil acesso ao crédito para que este dado consiga melhorar, segundo indica a agência Bloomberg.
 
Já as autorizações para a construção subiram 14,3% para 1,02 milhões, o maior nível desde Junho de 2009, ficando acima do esperado pelos economistas.