Voltar
05 julho 2013 13h21

S&P desce "rating" da Nokia depois do anúncio da compra da NSN

A agência de notação financeira, S&P, desceu o rating da Nokia de BB- para B+, deixando a tecnológica finlandesa um passo mais perto do “lixo”, segundo a agência Bloomberg. Já o “outlook” é estável, divulgou esta sexta-feira, a agência de notação.
 
O acordo que prevê a compra da parte da Siemens (50%) na Nokia Siemens Networks, pela tecnológica, por 1,7 mil milhões de euros está na origem da decisão da S&P, devido à redução de liquidez que a empresa finlandesa registará.
 
A S&P alega que a liquidez da Nokia pode descer para 1,3 mil milhões de euros, no final de 2013. O balanço da Nokia irá enfraquecer depois desta operação, afirma a agência de notação.
 
Em reacção à medida da S&P a Nokia garante que a sua “posição financeira continua forte” e garante que continuará a gerir com prudência os recursos de liquidez após a transacção.
 
A Moody’s, por sua vez, colocou o “rating” da Nokia sob revisão, este mês, com perspectiva "negativa", o que indica que podera ser descido.
 
O processo de aquisição da parte da Siemens na NSN deverá concluir-se no terceiro trimestre do ano. A Nokia estima que no segundo trimestre, a liquidez da empresa se situe entre os 9,2 mil milhões e os 9,7 mil milhões de euros, sendo que as disponibilidades líquidas estarão entre os 3,7 mil milhões e os 4,2 mil milhões de euros.
 
A tecnológica calcula ainda que se a transacção tivesse ocorrido no segundo trimestre do ano, teria terminado o acesso a liquidez da Nokia, no período teria ficado entre 9,2 mil milhões e 9,7 mil milhões, já as disponibilidades líquidas situar-se-iam entre 2 mil milhões e 2,5 mil milhões de euros, como reflexo da dedução dos 1,7 mil milhões de euros.