Voltar
29 maio 2013 19h54

Seguro acusa Governo de ter bloqueado diálogo político e social

António José Seguro falava aos jornalistas após ter estado reunido com os secretários-gerais da UGT, Carlos Silva, e da CGTP-IN, Arménio Carlos, encontros nos quais esteve acompanhado pelos dirigentes socialistas Miguel Laranjeiro, Sónia Sanfona e Óscar Gaspar.
 
"Não vou comentar [a hipótese de greve geral] porque respeito muito a independência do movimento sindical português", justificou aos jornalistas.
 
Interrogado se aceita que a convocação de uma greve geral reflecte um quadro de ausência de consenso social em Portugal, António José Seguro afirmou que a sua responsabilidade enquanto líder de um partido político "é ouvir" a CGTP, a UGT, os representantes dos trabalhadores portugueses, e também os representantes das confederações patronais.
 
"O país precisa de diálogo social e de diálogo político. Mas estamos bloqueados por responsabilidade deste Governo, que se afastou do consenso que existe na sociedade portuguesa", sustentou.
 
De acordo com António José Seguro, "é preciso revitalizar o diálogo político e social" para que Portugal possa sair da actual situação de crise.
 
"É isso que estou a fazer aqui [na sede da CGTP-IN] com estas reuniões, porque é meu dever ouvir os representantes dos empresários e dos trabalhadores", declarou.
 
Hoje, ao final da tarde, o secretário-geral do PS reuniu-se com representantes da Confederação do Comércio Português e, na quinta-feira, ao início da manhã, encerra a série de encontros com parceiros sociais com uma reunião com a Confederação da Indústria Portuguesa (CIP).