Voltar
05 julho 2013 07h13

Vera Jardim: Esperamos que o Presidente esteja à altura das suas responsabilidades

Vera Jardim, antigo ministro da Justiça, falava aos jornalistas na qualidade de porta-voz da reunião da Comissão Política Nacional do PS, que decorreu na quinta-feira à noite na sede nacional socialista, em Lisboa, durou cerca de três horas e meia e que se destinou a analisar a actual situação de crise no Governo e o estado da Nação.
 
"O país encontra-se num estado de verdadeira emergência, emergência económica, social e agora também política. Estamos perante um estado de agonia de um Governo, que se arrasta há vários dias sem saída", declarou Vera Jardim, considerando que o actual executivo PSD/CDS-PP "está morto".
 
Neste contexto, Vera Jardim recusou qualquer solução que passe pela reformulação do actual executivo.
 
"Com o mesmo Governo, cosido com os cacos reunidos, não há solução. Uma recomposição deste Governo é uma mera ficção, porque este Governo está morto. O PS lança uma vez mais a mensagem de dar a voz ao povo em eleições o mais rapidamente possível", frisou o dirigente socialista.
 
Sobre o papel do chefe de Estado nesta crise política, Vera Jardim referiu que o secretário-geral do PS, António José Seguro, já comunicou a sua posição a Cavaco Silva.
 
"Nesta situação gravíssima de crise, cabe ao Presidente da República a última palavra, a palavra decisiva. Esperamos naturalmente que esteja à altura dessas responsabilidades", advertiu.
 
Para o ex-ministro da Justiça, as diferentes forças políticas "devem dar ao Presidente da República o necessário espaço para uma análise da situação e para depois tomarem as decisões".
 
"O PS entende que a única decisão que pode servir os interesses dos portugueses é a marcação de eleições o mais rapidamente possível", disse.
 
Vera Jardim insistiu depois que o actual Executivo não tem condições políticas para continuar em funções.
 
"Este Governo não tem qualquer capacidade de coesão para concretizar o programa que o país precisa. Há muita irresponsabilidade no meio disto, mas as verdadeiras causas dos episódios que estamos a assistir residem no falhanço da política do Governo", sustentou o dirigente socialista, dizendo que a chave da explicação "está na carta de demissão escrita" por Vítor Gaspar.