Voltar
06 junho 2023 12h15

Investir em arte: 7 dicas práticas

Investir em arte: 7 dicas práticas

 

 

O mercado de arte tem atraído investidores com elevado património que procuram diversificar os seus investimentos e adquirir ativos com valor estético, emocional e financeiro. Nas últimas décadas, por exemplo, a arte contemporânea em particular, tem registado uma valorização na ordem dos 14% - acima do índice S&P500. Com um histórico de evolução estável e uma baixa correlação com outros investimentos, estará no momento de investir em arte?


 

 
Fonte: caia.org

 
Tal como acontece em qualquer outro tipo de investimento, há sempre riscos a considerar. Contudo, com as diligências adequadas, é possível fazer boas escolhas. Siga estas 7 dicas para investir em arte antes de tomar o primeiro passo. 


 
 

1. Defina o que procura

 

Antes de investir em arte, é essencial definir as suas prioridades entre tantas opções de estilos, movimentos artísticos, artistas e obras. Cada um possui características únicas que podem ter um impacto significativo no valor das obras de arte, e é fundamental compreender contexto e a relevância das obras em que está a considerar investir.

 
 
Países com maiores vendas de arte registadas
 
 
Fonte: artprice
 
 

É também importante estudar o histórico de vendas e os preços alcançados pelos artistas e por outros similares, bem como a reputação no mercado. O histórico de vendas das casas de leilão e galerias de arte é uma fonte de informação imprescindível para ter um melhor entendimento dos preços de mercado das obras de alguns artistas em particular. Este trabalho de pesquisa inclui ainda acompanhar as tendências, uma vez que o mercado de arte está em constante evolução. Assim, poderá identificar oportunidades de investimento promissoras.


 

2. Aproveite cada visita a exposições e feiras de arte 

 
Aproveite as visitas a museus, galerias, feiras de arte ou casas de leilão para diversificar o seu conhecimento, explorar novos artistas e conhecer diferentes tipos de obras. Os artistas emergentes são uma boa opção para os investidores que já têm uma perspetiva mais crítica sobre as obras e que, por isso, podem conseguir identificar quando um determinado artista poderá ser valorizado. 

 

Além disso, não perca a oportunidade de expandir a rede de contactos no mundo da arte, quer com profissionais quer com outras galerias. Inscreva-se em programas educacionais, palestras e debates, uma boa forma de aprofundar o conhecimento sobre o mercado e sobre as tendências atuais. 


 

 3. Defina o valor a investir e considere todos os custos

 
Determine quanto está disposto a investir, considerando a sua situação financeira atual, os seus objetivos, o horizonte temporal e a sua tolerância ao risco. Esta avaliação é essencial para orientar as suas decisões subsequentes. O mercado de arte pode ser volátil, os preços das obras podem variar significativamente e os retornos não são garantidos.
 
Tenha também em conta os preços de mercado, para ter uma ideia realista do que esperar em termos de custo e valor. Podem existir custos adicionais, como comissões de galerias, taxas de leilão, transporte, seguro e despesas de armazenamento. Mesmo depois de definir um valor, reavalie periodicamente e faça ajustes conforme necessário. 

 

4. Consulte especialistas em arte

 
Os especialistas e consultores de arte podem fornecer orientações valiosas sobre o mercado e as obras de arte que despertaram o seu interesse. Os profissionais podem fornecer insights valiosos e ajudar a tomar decisões mais informadas. 
 
Por exemplo, os curadores têm ampla experiência em selecionar e organizar exposições e, por isso, podem oferecer uma perspetiva única sobre o valor artístico e histórico de algumas obras de arte. Podem também aconselhar sobre a autenticidade, o valor e a procedência das obras com avaliações imparciais e conselhos estratégicos. Contudo, é importante procurar profissionais confiáveis, com reputação sólida e experiência comprovada.

 

5. Diversifique o portfolio

 
Ao investir em arte, diversifique a sua coleção com obras de diferentes artistas, estilos e períodos. Tal como acontece com qualquer outro tipo de investimento, a diversificação é a chave para reduzir o risco associado a flutuações no mercado e maximizar oportunidades. 
 
Isto significa não alocar todo o seu investimento apenas num artista ou movimento artístico. Desta forma, uma eventual perda pode ser equilibrada com outros ativos. Diversificar é também equilibrar os investimentos com diferentes classes de ativos e não apenas em arte, como ações, imóveis e outros investimentos financeiros.

 

6. Considere o prazo de investimento

 
É importante ter em mente que o mercado de arte pode ter um horizonte de investimento mais longo em comparação com outros ativos financeiros de maior liquidez, como ações ou fundos. Embora algumas obras possam valorizar rapidamente, outras podem levar anos ou décadas para alcançar o seu potencial de valorização e originar um bom retorno sobre o investimento. 
 
Além disso, o mercado de arte também tem os seus próprios ciclos de expansão e contração, tal  como acontece com outros mercados financeiros. Ter uma visão a longo prazo ajuda a mitigar as flutuações temporárias. Por isso, esteja disposto a aguardar para que o valor das obras se desenvolva e mantenha as expectativas realistas. 

 

7. Procure aconselhamento profissional

 
É importante salientar que investir em arte implica riscos, como qualquer outro investimento. Os profissionais especializados neste tipo de investimento têm um domínio sólido e profundo do mercado da arte e são essenciais para ajudar a equilibrar a carteira de investimentos. 
 
Por isso, procure aconselhamento de consultores de investimento especializados em arte para tomar decisões informadas, minimizar riscos, ter acesso a oportunidades exclusivas e obter orientações personalizadas de acordo com os seus objetivos financeiros e perfil de risco.
 
 

Investir em arte com a orientação do Banco Carregosa 

 
Com a equipa de profissionais experientes do Banco Carregosa, poderá beneficiar de uma orientação e acompanhamento de alto nível para desenhar soluções de investimento em arte compatíveis com o seu perfil de risco e com o seu objetivo de rentabilidade. Dessa forma, estará em condições de tomar as decisões mais adequadas para proteger e aumentar o valor do seu investimento. Contacte-nos.